segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Placas de rua

Nome mais que merecido
Lelê
De uns tempos pra cá, a prefeitura teve a boa ideia de, além do CEP, inserir uma microbiografia do cara que legou seu nome a uma determinada rua. Assim, fiquei sabendo que a rua onde moro deve seu nome a um visconde que era "capitalista e proprietário de terras". Aí veio a perguntinha: "e isso lá é motivo pra virar nome de rua?". Minha sugestão é trocar para "Rua Marcio Tavares - comunista, ateu e avô da Leticia".

3 comentários:

Sérgio Vianna disse...

Copiaram de Juiz de Fora, cidade que adotou esse sistema há muitos anos. Em todas as placas de rua há a informação do "cara-pálida" homenageado. E da mesma forma que você está constatando agora, aí no Rio, há pérolas nessas inserções. Numa galeria, Constança Valadares, consta: "filha de grande proprietário de terras".
Em tempo: Galeria é uma via pública que liga duas ruas no centro comercial da cidade. Em seu interior, há lojas variadas à semelhança de um shopping. Em Juiz de Fora são dezenas de galerias com esse formato.

Marcio Tavares disse...

Poderíamos fazer o concurso da rua com a microbiografia mais ridícula. O que você acha? Leu a postagem em que, com a sua ajuda, eu retifiquei mina lista de possíveis candidatos?

Sérgio Vianna disse...

Li sim, Márcio. Claro que eu sabia de sua opção. Foi só uma gozação. Mas o concurso eu achei ótimo. Vou fotografar as placas ridículas e mandar pra você. Outro assunto: no sábado, quando estive no Rio (veja comentário lá no Blog Bueno - Viver no Rio Turismo), não soube dizer qual alegria me fez rir mais: a vitória do Fogão e o terceiro lugar na tabela, ou o editorial da Folha de São Paulo. Você se lembra do episódio da visita do Lula à redação da Folha, em 2002, atendendo convite do Frias Pai, e que o Otavinho foi tão inconveniente que o Lula saiu no meio do almoço? Pois o Lula deve tá rindo muito depois daquele editorial de bosta de sábado.