sábado, 11 de fevereiro de 2012

James Cameron, o exterminador do futuro, quer mandar no Brasil

O Novo Brasil versus as 
celebridades anti-modernas

John Conroy, para Revista Spiked(*)


James Cameron e outros hollywoodianos ricos estão errados se pensam que podem continuar mandando no Brasil.

Esse homem tem um projeto político: fazer
do Brasil um Titanic 

O diretor de cinema James Cameron, responsável pelo Exterminador do Futuro, Titanic e, mais recentemente, Avatar, vem há alguns anos trabalhando paralelamente em um grande projeto. Os fãs dos filmes de Cameron não devem manter suas esperanças elevadas, entretanto. Este projeto paralelo é mais político do que cinematográfico. Ele tem como objetivo de tentar impedir o governo brasileiro de construir Belo Monte, a terceira maior hidrelétrica do mundo, no rio Xingu, que atravessa a floresta amazônica.

O fato de um diretor de filmes do ocidente se interessar pelo que acontece em certas partes do interior brasileiro tem seus precedentes. Há algum tempo, seja com a “Floresta das Esmeraldas” de John Boorman (1985) ou com “O Curandeiro da Selva” (Medicine Man) de John McTierman (1992), diversos produtores de cinema trataram as florestas brasileiras como uma fonte de locações e de atores para povoarem suas histórias da carochinha de destruição ambiental.

Mas Cameron é um pouco diferente. Quando fez Avatar no final de 2000, tendo escrito o roteiro 15 anos antes, sua história de civilização tecnológica versus natureza e povos indígenas deixou de lado as florestas reais trocando-as por animação computadorizada. O resultado foi um conto de moralidade ambiental apresentada nas pinceladas digitais mais vívidas, amplas e simplistas. Mas Cameron não ficou por aí. Em vez disso, decidiu partir do seu mundo de animação e levar a sério sua frágil fantasia.

Em abril de 2010, com o governo brasileiro em processo de concessão da Licença Ambiental para o projeto de Belo Monte, Cameron vislumbrou sua oportunidade. Podia-se ver o apelo de Cameron: o conflito estabelecido entre grupos indígenas e as ONGs de um lado, contra uma represa que forneceria energia a companhias de mineração, na floresta amazônica, parecia reproduzir a história da moralidade ecológica de Avatar. Foi assim que Cameron – seguido de perto pela estrela de cinema Sigourney Weaver, o então governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, e o ex-presidente Bill Clinton – se alinhou ao grupo indígena Kayapo para combater a represa. Como resultado dos protestos, a Procuradoria Geral Brasileira suspendeu o processo de licenciamento e Cameron fez, então, um celebrado documentário, chamado Uma Mensagem de Pandora (uma referência ao planeta fictício em Avatar). Para Cameron, sua conto de animação com viés moralista havia ganhado vida.

Após a intervenção de alto nível de Cameron, a pressão internacional começou a aumentar sobre o governo brasileiro. A Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (CIDH-OEA) pediu que o projeto fosse suspenso devido ao suposto dano que causaria aos grupos indígenas. Um poderoso lobby no Brasil, inspirado pela campanha viral “Não Vote”, de Leonardo DiCaprio, decidiu usar a televisão e a internet para minar o avanço do projeto de Belo Monte, com o canal TV Globo e seus atores de novela mais populares fazendo uma série de vídeos e anúncios atacando a represa. Da mesma forma que DiCaprio e seus amigos, as estrelas de novelas como Cordel Encantado, Morde e Assopre, Aquele Beijo, Macho Man e Insensato Coração assumiram um tom de teatrinho político para demonstrar que ninguém poderia apoiar a represa ou pensar que fosse boa para a nação. Em uma efusão particularmente escarnecedora, dois atores ridicularizaram o consumo de energia de seu próprio público televisivo enquanto alimentam a audiência de suas novelas.

Leia todo o artigo no Blog da Usina de Belo Monte.

(*) John Conroy é produtor, diretor de televisão e jornalista.

2 comentários:

binsjunior disse...

Gostaria que me desse fonte de provas do que escreveu, porque tendo a acreditar que essa "teoria da conspiração" seje apenas achismo de sua parte, não querendo eu ser dono da verdade e sendo interessado no assunto asublicado.

José Marcio Tavares disse...

O autor do texto e o meio estão citados no post.