segunda-feira, 21 de março de 2011

O que a esquerda quer é sexo

Há muito tempo eu não via, lia ou ouvia tanta imbecilidade da nossa querida esquerdinha. A visita do presidente americano detonou uma crise de complexo de inferioridade nos nossos barbudinhos e barbudinhas (secretas) sem precedentes. Ou melhor, com precedentes. Precedentes da década de 1940 do século passado. Slogans da época do "How tru you tru, Truman" foram aquecidos e, em alguns casos, sem a mínima preocupação com a criatividade.

Faltou a estrelinha...

Ontem participei de uma peleja com meu amigo Sr & Silva e um certo Eduardo Loureiro que conheci na rede desde a época em que eu freqüentava o Orkut. Os dois metiam o malho do afro-mulatinho e eu dizendo que aquilo tudo era uma besteira muito da grossa. Tenho certeza que meu falecido e saudoso pai, que hoje estaria no 103 anos, na sua juventude ouviu frases iguaizinhas.  "Obama (já deve ter sido Rosevelt [o Frankin e seu tio Theodore], Truman, Eisenhouver etc) go home"; "os EUA são imperialistas"; "os estadounidenses (alguns esquerdistas panamericanos se recusam a falar "americanos") são os culpados por todas as guerras". Alguns mais articulados cobravam do Obama suas promessas de campanha. Só faltavam ameaçar espatifar seus green cards.

Ora, eu que sou americano mas do Sul, quero mais é que se fodam as promessas de campanha do presidente americano do Norte.  Eu quero saber é o que essa visita nos trará de vantagens pra nós, já que, hoje, o que me parece é que eles - diferentemente da época do big stick (hoje estamos na era do joy stick) - eles precisam mais da gente do que nós deles.

(teve gente xingando o governador Cabral pelo fato de a PM ter prendido manifestates. Queriam naturalmente que o governador mandasse a polícia distribuir bombas de efeito moral para os sociopatas do PSTU e do PSOL para que fossem atiradas contra a segurança ianque)

Além disso, o Obama é de um simbolismo sem par na história da humanidade. Pode parecer bobagem, mas não é pouca coisa um afro-neguinho se eleger presidente nos EUA. E um presidente afro-mulatinho que gosta do Brasil, não chegou aqui com a arrogância (tenho que admitir) de outros gringos. Americanos ou não.

Mas não! É americano? Se elegeu presidente e não acabou com o bloqueio a Cuba? Então é safado.

Aí eu me lembro de outra coisa muito interessante. Essa turma que hoje defende com tanto ardor a Ilha de Fidel é a mesma que se aliou à Igreja Católica, ao Karol Woytila, às máfias e ao Solidarnosh de um picarerta financiado pela AFL-CIO, para derrubar o único regime que fazia um contra-ponto consistente aos fascistas do Pentágono e de Wall Street. É a turminha que adora um padre de passeata. Que pula mais que pipoca quando um ateu comunista como o autor dessas mal tecladas linhas fala mal dos papa-hóstias.

Ora, queridos esquerdóides (eu acentuo ditongos abertos), vocês não queriam acabar com o comunismo? Então vão tomar no olho dos seus respectivos ânus (detesto palavrão).  Fuck you, genius! Vão reclamar com o papa. Peçam ao seu amiguinho Frei Betto pra tentar agendar uma audiência.

Mas eu fui deitar, pois amanhã começa mais uma semana de vagabundagem, e tive um insight: é sexo! Como eu não descobri isso antes? 


Follow me. O cara como todo ser humano quer replicar seus genes. Pra isso precisa de, em sendo do sexo (o correto agora é gênero, mas foda-se) masculino precisa de uma mulher; se for o contrário, precisa de um pênis (homem mesmo não serve pra nada). Bem, o ideal é que esse outro hommo sapiens que vai te ajudar a replicar seus genes seja bonitinho, pois intuitivamente todo animal quer uma prole sadia e longeva. Mas como conseguir esse doador de espermatozóides ou de óvulos se eu sou um duro? Se eu fosse a Marilia Gabriela ou o Eike Batista seria fácil. Mas sou filho de um funcionário público, ganho merreca...

Aí vem a grande idéia (eu ainda acentuo ditongos abertos)! Vou ser de esquerda! Isso mesmo, como não havia pensado nisso antes? Pra ser de esquerda não precisa ter grana; não precisa nem se vestir bem. O verdadeiro esquerdista não faz a barba e nem freqüenta (eu ainda uso trema) shoppings. Basta uma camiseta de um encontro sindical qualquer e uma calça jeans bem velha e suja e já estou devidamente com meu uniforme de esquerda radical.


Conheço caras do PSTU e até da Causa Operária que já namoraram garotas lindíssimas. E que, com certeza, depois que casarem e mandarem à puta que pariu essa história de Marx e Engels, vão ficar mais bonitas ainda pois aí poderão depilar as axilas e outras partes, digamos, mais secretas.

Claro que eu não acredito que pessoas com passagem por estabelecimentos de ensino superior sejam tão ignorantes. Claro que não. Elas querem é sexo.

Quem quiser ler um artigo bem melhor falando sobre esse tema (a aparente imbecilidade da nossa esquerda) clique AQUI e leia quase de graça o excelente artigo do Miguel do Rosário. Mas não venham direto pra esse link, por favor, tive uma dificuldade tremenda pra escrever essa merda toda.

Um comentário:

Joel Bueno disse...

Tudo bem, Márcio. Mas o que tem o pobre do Aldir Blanc a ver com tudo isso???
(um Aldir uns 20 anos mais moço, mas ainda reconhecível...)